O que são ICOs e como funcionam?

Reading time: 5 minutes

A ICO, sigla de Initial Coin Offering (“oferta inicial de moeda”, em tradução literal, embora não se use o termo em português), é uma nova forma de arrecadação de recursos (fundos, financiamentos e outros) feita por meio de criptomoedas, principalmente Bitcoin e Ethereum.

A ICO corresponde, no meio digital, a IPO (Initial Public Offering ou “oferta pública inicial”), meio pelo qual recursos são adquiridos na Bolsa de Valores, o que implica na emissão das tradicionais ações. 

Na ICO, emitem-se os chamados tokens, que podem ser tanto criptomoedas como outros ativos digitais.

Outras diferenças importantes entre IPOs e ICOs é que esta última não é regulamentada, seu processo não é burocrático nem caro e prescinde de intermediários e corretores. 

Por isso, têm atraído, principalmente, startups e ainda pessoas em busca de crowdfundings (financiamentos coletivos), para a produção de projetos individuais ou coletivos.

Continue a leitura do artigo e saiba mais como as ICOs funcionam no mercado das criptomoedas.

O que são as ICOs?

ICOs são outra forma de criptomoeda que as empresas usam para levantar capital. Por meio das plataformas de negociação da ICO, os investidores recebem tokens de criptomoeda exclusivos em troca de seu investimento monetário no negócio. 

É um meio de crowdfunding por meio da criação e venda de um token digital para financiar o desenvolvimento do projeto.

Esse token exclusivo funciona como uma unidade monetária que dá aos investidores acesso a determinados recursos de um projeto executado pela empresa emissora. 

Esses tokens são únicos porque ajudam a financiar projetos de software de código aberto que, em outros cenários seriam difíceis de financiar com estruturas tradicionais.

Como funcionam as ICOs?

As ICOs são normalmente anunciados em vários fóruns de criptomoedas, principalmente no Bitcointalk. O tópico do anúncio contém informações importantes sobre o projeto, como um whitepaper, metas do projeto, cronogramas para a ICO e desenvolvimento do projeto, equipe envolvida, experiência anterior dos membros da equipe, características notáveis ​​do projeto e outros detalhes da ICO.

Os fundos são normalmente coletados em Bitcoin, seja por meio de um endereço público global (caso em que os participantes precisam enviar o Bitcoin de um endereço para o qual eles controlam a chave privada) ou criando contas de cada participante e fornecendo-lhes um endereço Bitcoin exclusivo.

A dinâmica específica de uma ICO pode variar. Elas normalmente incluem algumas semanas de arrecadação de dinheiro, pelo menos, e podem até aumentar dependendo da demanda. 

Ocasionalmente, algumas ICOs, vão limitar o valor máximo angariado. Uma porcentagem pequena de tokens é reservada geralmente para recompensas, campanhas publicitárias e até para os desenvolvedores da moeda.

Qualquer pessoa pode lançar uma ICO?

A resposta curta é que sim. Com a orientação correta, quase qualquer pessoa consegue desenvolver um token e escrever um whitepaper que descreve sua eventual aplicação. 

Porém, a empresa ou os indivíduos que o fazem precisam criar um empreendimento viável baseado em blockchain. Isso requer conhecimento, habilidade e experiência que nem todos possuem. 

Também é necessário cair de cabeça no emaranhado de questões regulatórias que variam de uma jurisdição para outra e podem mudar em resposta à crescente popularidade das ICOs.

Para fazer uma ICO bem-sucedida, o empreendimento deve ser sólido e respaldado por evidências concretas de como o projeto ou a ideia funcionará, por que é valioso, o que faz, quem precisa e como pode ser desenvolvido. 

Vender a ideia e convencer os investidores a comprar é outro passo crítico em direção a resultados positivos.

A Regulação das ICOs

O crescente número de crowdfundings por meio das ICOs atraiu a atenção de órgãos reguladores no mundo todo, e regulamentação é um tema aquecido na comunidade das criptomoedas. 

Nos EUA, a SEC (Comissão de Valores Mobiliários e Câmbio dos EUA) e a CFTC (Comissão de Negociação de Contratos Futuros de Commodities) são duas instituições reguladoras que estão continuamente discutindo a estrutura regulatória para ICOs e criptomoedas.

A regulamentação do setor de ICOs ainda está nos estágios iniciais e não há uniformidade entre os diferentes países. 

Por um lado, regulamentações muito rígidas podem dificultar o crescimento e desenvolvimento do setor emergente das criptomoedas e tecnologias blockchain. Por outro, alguns argumentam que a regulamentação provavelmente trará maior legitimidade ao espaço, aliviando o medo das instituições financeiras tradicionais que até agora têm evitado uma exploração aprofundada na área.

Enquanto algumas jurisdições (como China e Coréia do Sul) declararam todas as ICOs ilegais, a SEC dos EUA emitiu um boletim detalhado sobre ICOs, alertando que os potenciais investidores devem realizar a devida diligência antes de se envolver em novos investimentos. 

A SEC também disse que algumas ICOs podem se qualificar como títulos, e em casos positivos, estão sujeitas às regulamentações federais de valores mobiliários.

Considerações Finais

Os tokens das ICOs que veem ampla adoção e confiabilidade podem aliviar algumas das incertezas que instituições e consumidores têm sobre entrar no espaço criptográfico. 

Embora esse novo método de investimento ainda esteja resolvendo seus problemas, ele é considerado por muitos como uma alternativa viável às rotas tradicionais de arrecadação e pode se tornar uma abordagem atraente para as empresas daqui para frente.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *